yacht-master

Em um post anterior, abordamos os principais motivos dos altos preços associados aos bons relógios suíços. Aqui, discutiremos especificamente a questão do luxo associado ao mercado de relógios.

O que é Luxo?

A palavra luxo origina-se da palavra latina “luxus” – “excesso”. A busca por definição do significado da palavra luxo traz como sinônimos a “ostentação de riqueza”, “esplendor”, “extravagância”, “prazer ou bem adquirido por preço excessivamente alto”, “supérfluo”, “qualquer forma ou meio de prazer ou autossatisfação”.

Danielle Allérès define um produto de luxo como:

  • Um produto perfeito, feito com a utilização dos materiais mais preciosos, com as cores mais harmoniosas, a seleção das ideias mais inovadoras, e com a mais perfeita execução e controle.
  • Possuem embalagens que aumentam a perfeição do produto: um produto de prestígio deve ser luxuosamente apresentado.
  • Preço: um produto caro não é necessariamente luxo, mas luxo é sempre caro.
  • Seletividade na distribuição: a loja que venderá o produto deve ser coerente com os pontos anteriores e refletir a imagem do produto.
  • Comunicação seletiva: um produto de luxo precisa de ter uma história baseada na lenda ou no passado da empresa, a marca, o fundador ou personalidades famosas.

Finalmente, Nueno e Quelch (1998) definem marcas de luxo como “aquelas cuja relação de utilidade funcional é baixa em relação ao seu preço, enquanto que a proporção de utilidade intangível e situacional é alta”.

Transpondo-se tal definição ao mundo dos relógios: em relação ao seu objetivo funcional (ver as horas), um relógio de luxo é algo muito caro, tendo em vista haver opções muito menos dispendiosas para este fim. Contudo, o seu impacto em questões intangíveis e situacionais, como demonstração de status social por exemplo, resulta em alta utilidade para tais finalidades.

Independentemente da opinião individual sobre o significado de luxo, não podemos negar que há cada vez mais pessoas interessadas em relógios “high-end”, enquadrados como relógios de luxo.

As Categorias de Relógios

Considera-se no mercado relojoeiro quatro categorias, tomando-se por referência os valores de fabricação e revenda – luxo exclusivo, luxo acessível, preço médio e baixo preço.

Os relógios de luxo compreendem as duas primeiras categorias que, por sua vez, são fabricados quase que exclusivamente na Suíça, principalmente na região de Genebra. Esta área é conhecida por suas práticas de relojoaria e inovações que têm mantido a atenção dos aficionados por relógios há séculos.

Os relógios de luxo são definidos como aqueles com preço de fábrica (factory gate price) superior a 500 CHF (francos suíços), o que corresponderia a preço de varejo superior a CHF 1.500.

Os relógios de luxo acessíveis são definidos como aqueles que estão sendo vendidos por preços de fábrica entre CHF 500 (405 euros) a CHF 3.000 (2.434 euros), equivalente a um preço de varejo entre CHF 1.500 (1.217 euros) a CHF 9.000 (7.302 euros). As tecnologias utilizadas são baseadas principalmente em movimentos mecânicos e, em menor proporção, movimentos de quartzo.

O segmento de luxo exclusivo representa relógios com um preço de fábrica a partir de CHF 3.000 (2.434 euros), sem limite máximo determinado. Este segmento envolve relógios cuja produção é feita artesanalmente, de forma sofisticada, e baseada exclusivamente em movimentos mecânicos de alto padrão.

O Mercado Relojoeiro de Luxo

Há um senso comum de que os “relógios de luxo” correspondem a itens mais sofisticados, cujo preço é necessariamente maior do que relógios “básicos”. Observa-se que os relógios “high-end” são produtos de extrema qualidade, fabricados artesanalmente a mão, cuja técnica de montagem é altamente detalhada e especializada, diferenciando-os da atual cultura de itens produzidos em massa e descartáveis.

Contudo, observa-se também a vigência de uma cultura moderna de luxo alimentada pelo comercialismo, no qual se defende compras de artigos de luxo a preços cada vez mais elevados, sem que isso não se reflita necessariamente nos atributos que discutimos anteriormente.

Algumas pessoas parecem se concentrar apenas em quão caro é um item, em vez de se focar em seu “verdadeiro valor”. Esta visão tem sido aproveitada por algumas marcas, que utilizam-se do prestígio dos relógios de fabricação suíça para desenvolver produtos caros em uma base puramente comercial. Esta prática lamentável erodiu as verdadeiras tradições de luxo, no qual o preço era determinado, em última análise, em função do valor intrínseco e da qualidade do item que está sendo comprado.

Por conta desta visão, a definição de “Luxo Acessível” pode causar estranheza para alguns. Tomemos como exemplo o comprador sem discernimento, que possui capacidade financeira para comprar um produto caro, porém, sem compreender as particularidades de suas qualidades intrínsecas. Esse tipo de pessoa só compreende produtos de luxo como os itens mais caros, em grande parte indisponíveis para a maioria – portanto, itens “exclusivos”. Com isto em mente , por qual motivo alguém procuraria por um item de luxo que estaria disponível para um número maior de pessoas, a um preço acessível?

A resposta a esta pergunta encontra-se no comprador exigente de compras de luxo, que entende que os produtos de luxo não se restringem apenas ao preço do produto, mas principalmente à qualidade do item a ser comprado. A qualidade envolve a escolha dos materiais utilizados na produção do produto, no requinte e a extensão da habilidade envolvida em sua montagem, além da reputação da marca por trás do produto.

Com esta visão, alguns fabricantes tem focado a categoria de “Luxo Acessível”, não se enquadrando somente em questões voltadas à precificação de seus produtos, e sim, em uma visão mais ampla, até certo ponto “filosófica”. Dentre estes fabricantes, podemos citar a Frédérique Constant, que revisaremos em um próximo post.

E qual seria sua opinião sobre o mercado de luxo de relógios? Deixe suas opiniões e críticas nos comentários abaixo.